Ciência comprova que é possível aumentar o tempo de vida dos cachorros

olhar do cachorro velho - tempo de vida dos cachorrosÉ fato que a morte está presente em todos os seres vivos, dos seres humanos até os animais mais selvagens.
Porém, mesmo que a morte esteja sempre presente em nossas vidas, é inevitável que fiquemos tristes quando nossos companheiros de quatro patas morrem. Seria incrível aumentar o tempo de vida dos cachorros, não é mesmo?

Embora sejam considerados “apenas” animais domésticos, eles, na verdade, são como nossos filhos ou irmãos. É justamente por esse amor que estes pequenos seres nos oferecem, tornou-se uma “questão de honra” para cientistas e estudiosos descobrir como aumentar a expectativa de vida dos cães.

Afinal, quanto mais tempo estes seres ficarem ao nosso lado, melhor. Não é mesmo? Porém, inúmeras pesquisas e pessoas já tentaram, sem êxito, encontrar uma resposta para esta situação tão complexa.

Em diversos países, por diferentes equipes, por diversas pessoas e intuitos, ainda não foi possível encontrar uma “fórmula” para elevar o tempo de vida de nossos amigos caninos. Contudo, hoje já é possível ver alguns resultados na área.

Mesmo que ínfimo, isto já representa um importante passo para se chegar ao tão sonhado objetivo.
Estes resultados, caso sejam mais estudados e se consiga chegar a algum resultado tangível, será uma grande evolução na área científica, em toda a história.

Uma medicação que é capaz de aumentar o tempo de vida dos cachorros

É sabido que as células vão envelhecendo à medida que cada um dos seus elementos vão se degenerando.
Isto pode ser percebido em cada ser vivo em nosso planeta.

Contudo, de acordo com o “Instituto Tecnológico de Massachussetts”, muitos estudiosos nesta pesquisa concluíram que a rapamicina é capaz de retardar este processo.

Este medicamento age como um imunossupressor, também intitulado sirolimus, ativando as inúmeras alteração químicas e biológicas que acontecem frente a restrição de calorias, se for aplicado em doses quase nulas.
Com isso, o nosso organismo realiza um esforço muito além do comum a fim de conservar a sua sobrevivência além do seu normal.

Esta descoberta surpreendeu a todos, pois este medicamento antes era utilizado no combate ao câncer e, também, para pessoas que recentemente realizaram algum transplante de órgão, pois seus organismos, sem o auxílio deste medicamento, poderiam rejeitar o órgão transplantado.

As primeiras experiências foram feitas em vermes, moscas de frutas e roedores, sendo que estes tiveram um leve aumento em seu tempo de vida, graças ao uso da rapamicina.

Como se sucedeu esta pesquisa nos cães?

Depois dos resultados positivos encontrados em espécies menores, resolveu-se, então, realizar uma pesquisa em animais maiores. Logo, os nossos amigos de quatro patas foram os próximos estudados, visto que possuem um maior tamanho físico e orgânico.
Esta pesquisa, que teve a participação de trinta e dois cachorros de diversas raças e idades, foi realizada na “Washington University” e teve como denominação “Dog Ageing”.

Logo que esta pesquisa tiver fim, após seis meses, todos os resultados encontrados serão conferidos para perceber se ocorreu algum tipo de aumento no tempo de vida dos cachorros que foram participantes desta pesquisa.

Serão analisados diversos fatores, entre eles: atividades imunitárias, suas atividades, o peso de seus corpos, medidas cognitivas e o modo como este medicamente age sobre as atividades cardíacas.

Nossos cães poderiam viver quantos anos a mais, então?

É preciso entender que as espécies maiores têm uma expectativa de vida maior em relação às espécies menores, pelo modo como distribuem suas energias. Isto ocorre porque os animais que têm uma envergadura fisiológica maior possuem células que são mais eficazes nesta tarefa, consequentemente têm um tempo de vida maior.

Mas, entre nossos amigos de quatro patas ocorre exatamente o oposto. Qual a diferença? As raças menores costumam viver bem mais que as raças maiores. As raças menores possuem um tempo de vida de aproximadamente 12 a 14 anos, à medida que as espécies menores têm uma expectativa entre 8 e 10 anos.

Se for comprovado, mediante observações nos cães analisados, que este medicamento é capaz de aumentar o tempo médio de vida, os pesquisadores definiram que um cachorro de porte maior será capaz de viver até três anos a mais do que o esperado, à medida que uma raça pequena viveria em torno de quatro anos a mais.

E ainda tem mais!

Caso esta pesquisa conclua que este medicamento possa elevar a expectativa de vida de nossos companheiros caninos, então seria possível estender este estudo para outros animais. Afinal, não é o tempo de vida dos cachorros que importa aqui. É apenas um ponto de partida!

Já imaginou se seu gato ou periquito pudesse viver alguns anos a mais? Seria o máximo, não é mesmo?

Este impressionante projeto representa uma incrível notícia para todo mundo, sejam eles os donos ou os próprios animais, visto que, ainda que a morte esteja presente, ainda será possível compartilhar alguns excelentes momentos ao lado de nossos companheiros sempre tão presentes quando mais precisamos.